⚡ Raio ATUA DR ou isso é mais uma CONVERSA FIADA do PICA FIO???

👉 LINK de INSCRIÇÃO: https://ift.tt/ehK8Z6D

⚡️ AULA GRATUITA: Como Fazer Uma Instalação Elétrica Completa do Zero, Com Facilidade, Mesmo que Você Não Seja Um Eletricista Profissional:
➽ https://ift.tt/9qclzsK
——

✅ Gostou desse vídeo?
– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
✍️ Deixe seu comentário
📢 Compartilhe com os amigos
🕵 Siga nossas redes ➽ https://ift.tt/FiHztCu
– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Raio ATUA DR ou isso é mais uma CONVERSA FIADA do PICA FIO???

Fala, meus queridos! Bem vindos a mais um episódio da série Pica o Pé no Pica fio, um conjunto de vídeo aulas feito para ensinar macetes aos eletricistas profissionais e deixar o pica fio comendo poeira na busca pelo conhecimento

No vídeo anterior vimos que o Charlão, depois de muita observação, descobriu que a umidade era a causa dos problemas no DR dele. Porém, surgiu uma segunda questão:
A queda de um raio faz um DR atuar, ou isso é mais uma CONVERSA FIADA do PICA FIO?

A gente preparou um teste prático aqui no estúdio, acreditem, simulando um surto elétrico para trazer uma resposta mais convincente sobre esse assunto.

Como dito anteriormente, algumas pessoas relataram que após um raio cair próximo a suas casas, o DR deles costuma desarmar. Mas será que este desarme é devido ao raio mesmo ou é apenas uma terrível coincidência? Será mais um mistério para a nossa equipe desvendar…

Ainda não temos como produzir um raio para fazermos testes aqui na Engehall, mas aí o Alessandro teve uma ideia: fazer este teste usando um TRAFO DE MICROONDAS. Desta maneira podemos simular uma descarga de “apenas” 2000V!

Agora o bagulho ficou doido, o Alessandro esqueceu de tomar seus medicamentos.

A montagem do quadro é bem simples. A fase que vem da rede passa por um disjuntor geral monofásico de 63A. Da saída deste disjuntor geral, vamos para a entrada do nosso IDR de 63A e 30mA. da saída do IDR vamos derivar 2 cabos. Um cabo vai para o DPS e o outro vai para um bloco de disjuntores simulando as cargas de uma residência. E da saída do DPS vai para o barramento de terra, que está ligado ao terra de nossa entrada
O neutro da rede vai entrar no borne N do IDR e na saída vamos derivar 2 cabos. Um cabo para para o DPS e o outro cabo vai para o barramento de neutro. Assim como o DPS da fase, o DPS do neutro estará ligado ao terra de nossa entrada.

Já o transformador foi alimentado com 127V na sua bobina primária e a aterramos sua carcaça junto ao nosso sistema de aterramento.
Este cabo aqui saindo da bobina do secundário do trafo é por onde irá “sair” nossos 2000V.

Lembrando pessoal, que somos qualificados para reproduzir um experimento elétrico deste tipo, por isso tomamos todos os cuidados necessários para não causar acidentes, bora para prática então…

Aqui está nossa ligação na prática, conforme mostramos no diagrama!
Ao iniciar os testes, reparem que o IDR atua e o disjuntor geral permanece sem desarmar. Reparem também que tanto os DPS da fase quanto o do neutro também não sofreram nada.

O que pode ter ocasionado isso?

Bom, vai pensando aí na resposta enquanto envia este vídeo para os amigos do zap, facebook, ajuda nós aí com o compartilhamento de informação útil para as pessoas, me ajuda a combater os pica fio que só deixam prejuízo por aí… #picaopénopicafio

E pra responder o que pode ter ocasionado a atuação do DR, separamos 4 perguntas e respostas.

1 – Porque será que o Disjuntor Geral não desarmou???

Isso acontece porque o disjuntor precisa de um tempo para se sensibilizar. Um surto ou raio são rápidos demais para dar tempo disso acontecer, ou seja, o disjuntor não vai conseguir proteger contra surtos, para isso existe o DPS.

2 – Tá, mas por quê o IDR desarmou então???

Como o DPS estava instalado após o DR, o IDR “enxergou” o surto como uma fuga de corrente. O que? O surto virou uma fuga? Sim, uma vez que temos um surto na rede, cria-se uma diferença de potencial entre o neutro e o terra, como na maioria dos casos neutro é aterrado em algum ponto da instalação, o IDR enxerga essa diferença como fuga de corrente e faz seu trabalho que é proteger a instalação.

3 – E por que o DPS não queimou??

Os DPS podem atuar diversas vezes dependendo da intensidade do surto. Pode acontecer sim de acontecer a queima do DPS após um surto, principalmente se foi mal dimensionado.
E como nosso surto foi “bem fraquinho”, como diz o maluco do Alessandro, é só um “tirin”, não causa a queima do varistor, na verdade nem fez cócegas né.

4 – Uai, então eu não preciso instalar o DPS, já que o IDR desarma com um surto?