😆 Isso que dá CONFIAR só num ARAME PASSADO em TUBULAÇÃO SUBTERRÂNEA!

⚡️ AULA GRATUITA: Como Fazer Uma Instalação Elétrica Completa do Zero, Com Facilidade, Mesmo que Você Não Seja Um Eletricista Profissional:
➽ https://ift.tt/tk1GumI
——
✅ Gostou desse vídeo?
– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
✍️ Deixe seu comentário
📢 Compartilhe com os amigos
🕵 Siga nossas redes ➽ https://ift.tt/NcqutO5
– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Isso que dá CONFIAR só num ARAME PASSADO em TUBULAÇÃO SUBTERRÂNEA

Galera, recebi o áudio de um eletricista amigo nosso, chamado Rafa, pra quem não conhece, ele participou de um PODCAST que fizemos lá no mês de março.
Ele me mandou esse áudio semana passada, contando um BO que aconteceu com ele em um serviço que ele estava fazendo.

Querem saber o que rolou com ele e com isso aprender mais uma dica pra não acontecer contigo?

Vamos lá entender o que foi que houve com o Rafa…

Bom, infelizmente, este tipo de situação é bem comum, principalmente quando falamos de rede subterrânea de uma área externa, sujeita às intempéries, intempéries são as más condições de tempo, ok, turma?! E o pior, quando você não sabe a quanto tempo aquele arame “guia” está lá…

Só que vamos pontuar algumas questões técnicas primeiro e depois questões práticas:

Muitos de vocês devem estar pensando: Mas André a rede subterrânea não poderia ter mais do que 30m, isso tá na norma.

Em partes vocês estão certos, pois conforme a letra b do item 6.2.11.1.6 da NBR 5410,
“os trechos contínuos de tubulação, sem interposição de caixas ou equipamentos, não devem exceder 15m de comprimento para linhas internas às edificações e 30m para as linhas em áreas externas às edificações, se os trechos forem retilíneos. Se os trechos incluírem curvas, o limite de 15m e o de 30m devem ser reduzidos em 3 m para cada curva de 90°.”

Porém, existe uma nota abaixo desta orientação que cita o seguinte: “Quando não for possível evitar a passagem da linha por locais que impeçam, por algum motivo, a colocação de caixa intermediária, o comprimento do trecho contínuo pode ser aumentado, desde que seja utilizado um eletroduto de tamanho nominal imediatamente superior para cada 6m, ou fração, de aumento da distância máxima calculada segundo os critérios da alínea b).”

Então, meu querido, é permitido ter mais de 30m de rede subterrânea, desde que o diâmetro da tubulação seja aumentado para que seja facilitada a passagem dos cabos, creio que isso seja um novo aprendizado para muitos aí…

Só que agora vamos olhar um pouco o lado prático…

Como eu falei no início do vídeo, encontrar uma tubulação sondada com arame é bem comum. Mas você não sabe a quanto tempo aquela sonda está lá, e o pior, o arame pode ser do tipo recozido e não galvanizado, aí corrosão será mais severa, então, temos duas opções:

Opção 1 – Você usar este arame já passado para puxar um outro arame, de preferência galvanizado e novo. Como o arame é bem mais leve do que um cabo, existe a possibilidade de aguentar essa primeira passada sem problema, e com o novo arame passado, aí sim você amarra os cabos nele e pode puxar.

Opção 2 – Caso tenha uma sonda guia maior do que 30m para este tipo de situação, recomendo usá-la, amarre ela no arame que está ali, puxa ela primeiro e depois amarre os cabos nela, e puxe os cabos usando a sonda guia, de preferência deve ser uma sonda que seja de cabo de aço, é mais garantido assim.

Lembrando que esta segunda opção é mais cara, já vi sondas de 40 e 50 metros toda em cabo de aço, e se você é um profissional que lida direto com este tipo de serviço, vale, e muito, o investimento.

Lembre-se sempre, ferramenta não é gasto, ferramenta é investimento!

Olha só o tempo que o Rafa perdeu e ainda vai perder, pois um serviço que poderia levar uns 10 minutos para ser feito, demorou mais de 4 horas e ainda não foi finalizado. Terá que retornar ao local para instalar uma caixa de passagem subterrânea. Agora imagine se tiver outra rede passando por lá.. olha a confusão…

Tá visto que é importante ter rede de contato para saber o que fazer quando o bicho pega, né, turma?! Por isso, compartilhe esse vídeo, não custa nada e ajuda muita gente. Comenta aí também se você já passou por um perrengue parecido, quero saber o que houve e como foi resolvido, combinado?!

Outra coisa importante é você acompanhar o evento “Pica o pé no pica fio” que ocorrerá já no próximo mês em. Serão 7 aulas com o objetivo de te ensinar a resolver problemas reais da instalação que tanto o zé faísca, quanto o pica fio não conseguem resolver. Garanto que você não vai se arrepender, será uma série idêntica a GUERRA ao ZÉ faísca que fizemos recentemente aqui no canal, serão só assuntos bacanas.